Christine Day

Cada pessoa tem sua própria iniciação, e cada pessoa realiza uma viajem única e singular de retorno ao Self.

CHRISTINE DAY > MINHA HISTÓRIA

Todos temos pontos de inflexão. Eu tive muitos. Minha história começa naquele momento de minha vida em que me diagnosticaram um lúpus sistêmico e disseram que me restava poucos meses de vida. Eu tinha 31 anos. O que me veio à mente foi um pensamento inspirado: "Se eu criei algo para me matar, também posso criar algo para me curar!" Dou-me conta agora de que foi aquele o dia em que recuperei meu poder. Eu era a responsável de minha própria cura!

Não sabia o que era a meditação, mas me comprometi simplesmente a sentar-me tranqüila e estar comigo mesma. Pouco a pouco comecei a tomar consciência de uma espécie de presença serena ao meu redor, e instintivamente comecei a senti-la diretamente no meu interior. Tinha que confiar naquelas sensações. Um dia, enquanto meditava, comecei a receber essa surpreendente energia e, num breve lapso de dois a tres segundos, me deram dois processos de cura completos. Foi como se toda uma nova parte de mim tivesse nascido naqueles dois ou tres segundos. Eu a descreveria como energia e amor, como algo bom, agradável e muito, muito real. Podia senti-la pulsando suavemente através de minhas células, como um novo batimento cardíaco, como uma luz que fluísse como um amanhecer em cada célula. Cada uma de minhas células estava se transformando, e o amor fluía no meu interior curando minhas células. 

Tinha em casa a meu filho, com muitos e complicados problemas de saúde. Decidi impor as mãos sobre ele para provar se aquilo funcionava com ele também. Pude sentir como aquela nova energia corria através de mim, como se abria o amor dentro de mim, e como tomava lugar um profundo sentimento de cura, enquanto trabalhava com ele. Sentia-me em paz. Pela primeira vez na minha vida tinha a sensação de pertencer a algum lugar.Ao cabo de poucas horas de fazer aquele trabalho com meu filho, pude ver as mudanças nele. Era um milagre! Era um milagre para mim e para meu filho. Trabalhava com ele todos os dias, e todos os dias nos íamos curando. Trabalhei com ele diariamente durante dois anos, e ambos nos transformamos. Desenvolvi uma relação e uma confiança surpreendentes com o Espírito. Minha cura se acelerou em muitos e diferentes níveis, a medida em que começava a compreender minha vida e minha viagem até aquele momento, e a medida em que me perdoava e me ressuscitava.

O Espírito me instou para que fizesse uma "busca da visão". Foi-me dito que deveria sair da Austrália no prazo de um mês, que deveria deixar meus filhos e ir viver nos Estados Unidos. Somente deveria levar comigo uma mala.Deixar meus filhos! Havia-me comprometido a confiar no Espírito; havia prometido que seguiria suas indicações. Não compreendia nem sabia o que significava aquilo, mas os sentimento era tão forte que era como se estivessem partindo meu coração em dois e eu não pudesse fazer nada, a não ser seguir adiante.

"Não deixes que o medo te detenha; ele é apenas um sentimento!"

Minha relação com a luz, com o Espírito, era o meu foco principal. Mantinha meu compromisso com a vida, o compromisso de mover-me em sintonia com a luz, minha luz. O único que eu sabia era que estava sendo dirigida pela luz, por Deus. Todos os dias caminhava até um lugar próximo à minha casa. Sentia o chamado da natureza, e neste lugar sagrado recebia todos os dias uma bênção. Um dia dei-me conta de que havia algo diferente. E, de repente, me abri. Minha consciência se expandiu e recordei perfeitamente minha origem pleiadiana: a vida que vivia simultaneamente com os pleiadianos e a vida que vivia aqui no plano terrestre. Recordei plenamente a memória da minha missão aqui, o momento em que escolhi esta missão, e minha vida e família peiadianas. Foi um incrível estado de expansão.